sábado, 30 de junho de 2012

Reunião no Arquivo Histórico Regional de Passo Fundo discute rumos da parceria realizada com o TRT4



Estiveram presentes na reunião no Arquivo Histórico Regional de Passo Fundo, em 15 de junho de 2012, o Juiz Titular da Vara do Trabalho de Soledade, Dr. José Renato Stangler, o Diretor da Vara do Trabalho daquela cidade, José Antonio Machado, a Diretora da Distribuição dos Feitos do Foro Trabalhista de Passo Fundo, Lizete Terezinha Klock, o Coordenador do Memorial da Justiça do Trabalho no RS, Alexandre Veiga, os servidores da equipe técnica do Memorial, Kátia Teixeira Kneipp e Elton Luiz Decker, a Coordenadora do Arquivo Histórico Regional de Passo Fundo e Professora do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de Passo Fundo, Profa Dra Gizele Zanotto e os funcionários do Arquivo Histórico Regional de Passo Fundo, Benhur Jungbeck e Sandra Benvegnu.

A Equipe Técnica do Memorial analisou os autos findos cedidos pela parceria TRT4-UPF, os quais se encontram adequadamente acondicionados e higienizados, com técnicas corretas de armazenamento. O Arquivo Histórico Regional de Passo Fundo (AHRPF) solicitou auxílio material e manifestou a necessidade de contar com o concurso de um estagiário, para intensificar o trabalho de acondicionamento e disponibilização dos documentos.

O Dr. José Renato Stangler sugeriu que a parceria fosse ampliada para receber os autos findos da região abrangida pela Universidade de Passo Fundo (no momento, as varas do trabalho de Carazinho, Lagoa Vermelha e Palmeiras das Missões).

O Arquivo Histórico esclareceu que, no momento, não conta com espaço suficiente para acolher mais processos, mas que está em tratativas para ampliá-lo. A Coordenadora do entidade esclareceu que já foram realizadas pesquisas de conclusão de curso no campo da História, com base no acervo dos autos findos da Justiça do Trabalho de Passo Fundo, e que há muitas consultas por parte de pesquisadores, partes e advogados.

Houve a entrega simbólica de um lote de processos findos da Vara Trabalhista de Soledade àquele Arquivo, que já foram autorizada pela Comissão de Gestão Documental do TRT4, como ampliação da parceria inicialmente restrita aos autos findos do Foro Trabalhista de Passo Fundo.


1934: Hitler manda executar Ernst Röhm


No dia 30 de junho de 1934 foi preso Ernst Röhm, um ex-aliado de Hitler. Röhm queria transformar a SA num exército sob seu poder. Ele foi executado dois dias depois.
Ernst Röhm (ao centro)
O capitão Ernst Röhm, organizador da tropa de assalto SA (Sturmabteilung) do partido nazista, não imaginava qual seria seu destino após cair em desgraça com Hitler. O führer havia decidido matá-lo.
Faltando apenas um dia para o fim das férias coletivas dos integrantes da SA, o próprio chanceler alemão deu início ao massacre de seus ex-aliados, num episódio de incrível brutalidade e traição que ficou conhecido como a Noite dos Longos Punhais.
Röhm, um típico representante da chamada "geração perdida" da Primeira Guerra Mundial, acreditava no ideário nazista quando aderiu ao partido em 1918. Logo no ano seguinte, passou a integrar o privilegiado grupo de amigos pessoais de Hitler.
Ferido três vezes na Primeira Guerra Mundial, lembrava com nostalgia da camaradagem dos soldados nas frentes de batalha. A isso, adicionava-se uma porção de energia criminosa, disfarçada sob a máscara de um nacionalista revolucionário.
Treinos na Bolívia
Ele demonstrava um desprezo profundo pelo que chamava de "farisaísmo e hipocrisia burguesa". Nos primórdios do movimento nazista, revelara-se um organizador talentoso, atraindo um grande número de adeptos para o Partido Nacional-Socialista dos Trabalhadores da Alemanha (NSDAP).
Em 1924, elegeu-se para o Reichstag (Parlamento) pelo Partido Liberal Popular Alemão e foi encarregado de organizar o batalhão nazista Frontbann. A partir de 1928 passou dois anos treinando soldados na Bolívia e, em 1930, foi nomeado para o posto de comandante da SA.
Röhm transformou a SA – inicialmente uma espécie de força paramilitar privada de Hitler – numa milícia popular formada por combatentes de rua, capangas e arruaceiros. Do seu ponto de vista, foi "bem-sucedido": o número de integrantes da SA subiu de 70 mil para 170 mil em apenas 18 meses.
As fileiras da milícia eram engrossadas, principalmente, por desempregados, mas eram recrutados também ladrões e assassinos. Para Ernst Röhm, esse "exército plebeu" era o núcleo do movimento nazista, "a encarnação e garantia da revolução permanente", baseada no "socialismo de caserna" que ele experimentara durante a Primeira Guerra Mundial.
De fato, a SA desempenhou um papel decisivo na ascensão de Hitler entre 1930 e 1933, através da intimidação de adversários políticos.
Mas em 1933, quando já contava com milhões de integrantes, a organização passou por uma pequena decepção. Seus líderes, que aspiravam à supremacia dos quartéis sobre a classe política, irritavam-se com a crescente burocratização do movimento nazista.
O sonho de Ernst Röhm era ser o comandante supremo de uma enorme força armada, resultante da fusão da SA com o exército regular. Hitler seria então "apenas" o chefe político.
Como comandante da SA, ministro sem pasta e secretário estadual na Baviera, Röhm ocupava cargos de destaque no final de 1933, mas desperdiçou todos os seus trunfos.
Impecilho aos planos de Hitler
Ele se opunha ao plano de Hitler de realizar uma revolução sob o manto da legalidade e passou a falar publicamente de um iminente golpe de Estado. Sua demagogia populista era rejeitada pela classe média e preocupava os militares e industriais, que formavam a base do regime nazista. A reivindicação de Röhm de transformar a SA numa milícia autônoma alarmou os generais, indispensáveis para os planos de longo prazo de Hitler.
Como o chanceler demorasse a agir, o Exército lhe deu um ultimato, dizendo que, se uma medida enérgica não fosse tomada, um golpe de Estado militar tiraria os nazistas do poder. Foi aí que Hitler decidiu liquidar "Röhm e seus rebeldes".
Sem a menor suspeita da chacina que estava sendo tramada, Röhm foi preso na noite de 30 de junho de 1934, no Hotel Hanselbauer, em Bad Wiessee, junto ao lago Tegernsee (Baviera), onde festejava com outros líderes da SA.
Levado para a prisão de Stadelheim, negou-se a cometer suicídio e foi fuzilado dois dias depois. Na chamada Noite dos Longos Punhais, os nazistas executaram sumariamente 85 pessoas, muitas delas sem qualquer ligação com Röhm.
Oficialmente, o governo alemão alegou que a SA estava preparando um golpe contra o Reich. Na prática porém, Hitler concretizava apenas mais uma de suas estratégias de poder: após o massacre, ele não tinha mais rivais e podia celebrar o domínio absoluto sobre o partido nazista.
  • Data 30.06.2012
  • Autor Doris Bulau (gh)
  • Fonte: DW-World

29 de junho de 1940: Morre o pintor alemão Paul Klee

29/06/2012 - 14:03 | Enviado por: Lucyanne Mano

O pintor suiço, naturalizado alemão Paul Klee, 60 anos, Paul Klee morreu em Muralto, na Suíça.

De grande contribuição à arte do desenho e da pintura, O título de uma de suas obras, Fries, streng gefasst (Livre, mas rigorosamente contido), poderia servir como divisa para toda sua criação artística.

Paul Klee nasceu em 18 de dezembro de 1879 em Münchenbuchsee, perto de Berna, na Suíça. Inspirado nas histórias que sua vó contava, foi nesse tempo que descobriu o interesse por desenhos e pinturas, mas sempre tematizando fantasias. Não parou mais... Em 1900, inscreveu-se na Academia de Munique, mas largou os estudos para viajar pela Itália. Seis anos depois, casado com Lily Stumpf, instalou-se em Munique, na Alemanha. Foi nessa época, durante uma temporada em Paris, que conheceu renomados cubistas franceses, e se impressionou principalmente com a combinação de cores, que viriam a ter forte presença em sua obra.

Para continuar lendo clique aqui.
Fonte: JBlog

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Representantes de escolas públicas participam de encontro sobre o Pibid


Intenção foi apresentar o programa e, especialmente, a ampliação de bolsas, que passa a contemplar todas as licenciaturas


Foto: Caroline Simor
Professores e representantes de escolas públicas receberam informações sobre o Pibid na UPF
A Universidade de Passo Fundo (UPF) desenvolve parcerias para qualificação de alunos e professores junto ao Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica à Docência, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Pibid/Capes) do Ministério da Educação (MEC) desde 2010. No edital deste ano foi possibilitada a ampliação de bolsas, a partir da submissão de projetos dos diferentes cursos. A UPF obteve aprovação em todos os subprojetos encaminhamos à CAPES e, com esse resultado positivo, todos os cursos de licenciatura passaram a fazer parte do programa. Na manhã desta quinta-feira (28/06), representantes de escolas públicas estaduais e municipais de Passo Fundo e região estiveram reunidos, na Faculdade de Educação, para conhecer as linhas gerais do programa.

A partir de agora, os 12 cursos de licenciatura dos campi Passo Fundo, Lagoa Vermelha e Carazinho estarão participando do programa por meio dos alunos e professores. Ao todo, 15 projetos serão desenvolvidos integrando os acadêmicos à realidade das salas de aula, com 240 bolsas.

Presente na atividade, a vice-reitora de Graduação, professora Neusa Maria Henriques Rocha destacou que a UPF integra o programa, por seu caráter comunitário, e que as ações desenvolvidas vêm promovendo mudanças significativas na educação. Para ela, programas como este motivam alunos e professores a se aperfeiçoarem, o que, promove a qualificação das escolas, dos cursos de licenciatura e dos processos educativos. “Por meio do Pibid, temos a oportunidade de promover a interação Universidade – Escola, fazendo com que os alunos das licenciaturas estabeleçam relações entre teoria e prática, aprimorem sua formação e reconheçam a relevância da carreira docente”.

Coordenadora Institucional do Pibid na UPF, a professora Flávia Caimi ressaltou a importância da participação dos docentes e representantes das escolas. “Foi com muita satisfação que recebemos a informação da CAPES de que todos os subprojetos encaminhados pela UPF foram aprovados. Hoje estamos reunidos - professores das escolas e professores dos cursos de licenciaturas – para discutirmos a respeito do programa. Os professores das escolas públicas foram convidados a se integrar ao processo de incentivo à docência e a aprofundar suas relações com a UPF”, finalizou.

Informações e detalhes
O edital está publicado e todas as informações podem ser acessadas no sitewww.upf.br, link Editais e também no portal do Pibid na UPF www.upf.br/pibid. A divulgação dos selecionados será no dia 18 de julho.  Podem se candidatar os acadêmicos regularmente matriculados nas licenciaturas com vagas disponíveis, que estejam cursando qualquer um dos níveis, desde que declarem que não colarão grau nos próximos 12 meses. Os acadêmicos selecionados receberão uma bolsa mensal no valor de R$ 400,00, devendo disponibilizar, em contrapartida, 20 horas semanais de trabalho para o programa, em horários diferentes do turno regular do curso. As atividades envolvem estudos, investigações e intervenções pedagógicas na área de atuação do licenciando, a serem desenvolvidas tanto no espaço universitário quanto no espaço escolar.

A seleção será realizada mediante análise da documentação e entrevista realizada por uma comissão composta pela respectiva coordenação da área do Pibid/Capes/UPF e um professor integrante do colegiado do curso.


UPF abre período de transferência e reingresso


Inscrições se estendem até o dia 27 de julho na Central de Atendimento ao Aluno, Campus I, ou nas secretarias dos campi


Foto: Reprodução
A Universidade de Passo Fundo (UPF) oferece uma nova oportunidade para quem quer retornar aos bancos universitários com uma série de vantagens. Estão abertas as inscrições para transferência, reingresso, reabertura de matrícula, reabertura com reopção de curso e matrícula em disciplina isolada. O período se estende até o dia 27 de julho, na Central de Atendimento ao Aluno, Campus I, ou nas secretarias dos campi.

Para este segundo semestre de 2012, a instituição oferece alguns benefícios. Quem solicitar transferência, reingresso ou reabertura de matrícula poderá inscrever-se no Programa Emergencial de Crédito (PEC), com 50% de financiamento, a partir da segunda mensalidade. O aluno também poderá se inscrever no Programa de Bolsa FUPF (50%) e no FIES do saldo, desde que os benefícios estejam previstos para os cursos, e que sejam atendidos os requisitos do edital da Bolsa FUPF do Vestibular 2012/2, disponível no site http://vestibular.upf.br, sem acumular o financiamento do PEC.

Confira as diferentes formas de ingresso:

Transferência
É a solicitação de vaga para curso da UPF idêntico ou afim, feita por aluno de outra instituição de Ensino Superior autorizada ou reconhecida nos termos da legislação vigente do país, condicionada à existência de vaga, às adaptações curriculares exigidas e ao processo seletivo, quando for o caso.

Transferência com Prouni
A UPF também oferece a opção de transferência pelo Programa Universidade para Todos, o Prouni. O edital que regulamenta o processo já foi divulgado e pode ser visualizado no site www.upf.br ou no site do Vestibular http://vestibular.upf.br.

Reingresso
É a solicitação de vaga feita por portador de diploma de curso superior, condicionada à existência das mesmas, às adaptações curriculares exigidas e ao processo seletivo, quando for o caso.

Reabertura de matrícula
É o pedido de retorno ao curso após um período de trancamento. Estará sujeito à existência de vaga nas disciplinas a serem cursadas, adaptações curriculares e cumprimentos dos prazos previstos para a integralização do referido currículo.

Reabertura com Reopção de Curso
É o pedido de reativação do vínculo acadêmico, mediante vaga em outro curso solicitado.

Matrícula em disciplina isolada
É o pedido de matrícula em disciplina, na condição de aluno especial, por aluno que está frequentando curso na UPF, por aluno de outra Instituição de Ensino Superior, aluno graduado, aluno pós-graduando, aluno pós-graduado com o objetivo de aprimoramento pessoal ou, ainda, alunos com Ensino Médio concluído.

Todos os detalhes sobre as diversas formas de ingresso podem ser obtidos clicandoAQUI.


quinta-feira, 28 de junho de 2012

MHR realiza oficina sobre educação patrimonial


Foto: Leandro F. Bianchi/UPF
Alunas receberam orientações sobre educação patrimonial
O Museu Histórico Regional (MHR) realizou no último dia 22/06, o primeiro encontro do Projeto Oficinas de educação patrimonial nas escolas de Passo Fundo. A atividade, orientada pela estagiária Priscila C. Batistel Pulga foi realizada com uma turma da Escola Estadual Nicolau de Araújo Vergueiro (Eenav). O tema escolhido foi a fotografia, com foco na sua utilização como fonte histórica, bem como sua preservação e conservação.

A oficina iniciou com uma fala sobre o histórico do MHR e do prédio centenário, que abriga a instituição. O grupo de alunos recebeu orientações sobre a fotografia e concluiu com uma atividade prática, onde todos receberam reproduções de imagens do acervo, pincéis, enfim todo material necessário para realizar a higienização superficial da fotografia.

De acordo com Priscila, o objetivo da ação é levar o Museu para a sala de aula, trabalhando com os estudantes algumas práticas realizadas no MHR, para que se crie uma cultura de preservação dos aspectos da própria história, além de aguçar a curiosidade, fazendo com que visitem um espaço de memória.

Escolas podem agendar
As escolas interessadas em integrar o projeto podem entrar em contato com o MHR pelos telefones (54) 3316-8587 ou (54) 3316-8586 para fazer o agendamento. Informações também podem ser obtidas pelo e-mail mhr@upf.br ou ainda pelo sitewww.upf.br/mhr.

XX Simpósio de História da Imigração e Colonização


XX Simpósio de História da Imigração e Colonização
Seminário Internacional “A História da Imigração e Sua(s) Escrita(s)"


Apresentação
O XX Simpósio de História da Imigração e Colonização e Seminário Internacional "A história da imigração e sua(s) escrita(s)" tem como foco principal propor a discussão dos conceitos de imigração e colonização em âmbito internacional. Para os participantes, em especial os alunos, o evento permite a interação entre historiadores de diversos níveis - internacional e nacional - e os graduandos, mestrandos e doutorandos que apresentam suas pesquisas em andamento. A temática dessa edição levou em consideração as múltiplas escritas da história da imigração em tempos e espaços diversos, o que permitirá inúmeras abordagens no que tange à pesquisa, escrita e análise da história da imigração e colonização.

Submissão de Trabalhos

De 01/04/2012 a 15/07/2012 - Envio do resumo do trabalho para avaliação.
Para submeter seu trabalho, copie o link abaixo:


quarta-feira, 27 de junho de 2012

Inscrições ao Prouni começam nesta quinta-feira (28/06)


UPF oferece 696 vagas em diferentes cursos de graduação

Foto: Reprodução/UPF
Inscrições se estendem até às 23h59min do dia 02 de julho
Começa nesta quinta-feira, dia 28 de junho, o período de inscrições ao processo seletivo do Programa Universidade Para Todos (Prouni), referente ao segundo semestre de 2012. A Fundação Universidade de Passo Fundo está disponibilizando 696 vagas, sendo 94 bolsas integrais, de 100%, e 602 bolsas parciais, de 50%. As inscrições se estendem até às 23h59min do dia 02 de julho de 2012, e devem ser feitas exclusivamente pelo site http://prouniportal.mec.gov.br/.

As bolsas integrais são destinadas para brasileiros não portadores de diploma de curso superior, cuja renda familiar mensal per capita não exceda o valor de até um salário mínimo e meio. Os estudantes que já estão matriculados em cursos de graduação da UPF podem se candidatar apenas às bolsas integrais. Já os alunos que pretendem ingressar ou realizar matrículas por meio do vestibular no semestre 2012/02 podem se candidatar tanto às bolsas integrais (100%), quanto às parciais (50%). As bolsas parciais são destinadas, exclusivamente, a novos estudantes ingressantes, brasileiros não portadores de diploma de curso superior, cuja renda familiar mensal per capita não exceda o valor de até três salários mínimos.

Todas as informações sobre as vagas do Prouni na UPF podem ser obtidas junto à Central de Informações da UPF, pelo telefone (54) 3316-7000.

Confira no arquivo abaixo as vagas disponíveis:

1 - 27_vradm_prouni.pdf

UPF amplia bolsas para licenciatura pelo programa Pibid/Capes


A coordenação do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica à Docência, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, desenvolvido na Universidade de Passo Fundo (Pibid/Capes/UPF), comunica aos acadêmicos dos cursos de licenciatura da UPF que estão abertas as inscrições para a candidatura à bolsa de iniciação à docência. O período de inscrições segue até 06 de julho.

Conforme o Edital Pibid-Capes nº 11/2012, os cursos com vagas são: Artes Visuais (10); Biologia – campus Passo Fundo (20); Educação Física – campus Passo Fundo (20); Filosofia (15); Geografia (05); História (20); Letras Espanhol – campus Lagoa Vermelha (10); Letras Inglês – campus Passo Fundo (15); Música (15); e Pedagogia – campus Carazinho (10).

Quem pode participar
Podem se candidatar os acadêmicos regularmente matriculados nas licenciaturas com vagas disponíveis, que estejam cursando qualquer um dos níveis, desde que declarem que não colarão grau nos próximos 12 meses. Os acadêmicos selecionados receberão uma bolsa mensal no valor de R$ 400,00, devendo disponibilizar, em contrapartida, 20 horas semanais de trabalho para o programa, em horários diferentes do turno regular do curso. As atividades envolvem estudos, investigações e intervenções pedagógicas na área de atuação do licenciando, a serem desenvolvidas tanto no espaço universitário quanto no espaço escolar.

A seleção será realizada mediante análise da documentação e entrevista realizada por uma comissão composta pela respectiva coordenação da área do Pibid/Capes/UPF e um professor integrante do colegiado do curso.

Outras informações
Todas as informações relativas ao Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência Pibid/Capes/UPF estão disponíveis no site www.capes.gov.br/educacao-basica/capespibid e no portal www.upf.br/pibid. A divulgação dos selecionados será publicada no site da UPF e no portal no dia 18 de julho de 2012.

Informativo Curso de História - AGOSTO



1) Período letivo:
- 30/06: término das aulas para disciplinas do diurno e noturno

- 02/07: início dos exames para as disciplinas do diurno e noturno

- 30/07: início do período letivo para cursos de graduação em regime regular 2012/2


- 01/08: recepção aos alunos de História

2) Palestras e eventos:
- 08/08: Palestra: “Educação Ambiental e responsabilidade social das instituições de ensino superior”. Palestrante: Profa. Dra. Eunice Sueli Nodari (UFSC)


- 13 a 17/08 - Curso: Técnicas de Laboratório em Arqueologia: procedimentos básicos para conservação de acervos – Sala: 223 (CET) – manhã e tarde. Clique aqui para informações


- 03/09Palestra com o Embaixador da Palestina Ibrahim M. Alzeben. A atividade encerra a exposição "Raízes Palestinas" do Museu Histórico Regional (MHR). O evento será realizado as 19h30min no salão de Atos da Faculdade de Direito, campus I da UPF.  Serão emitidos certificados aos presentes na palestra.

- 24/08: Teatro: apresentação da peça: “A Máscara de Taré”, sobre a História das Missões Jesuítico-Guarani. Local: Teatro Municipal de Passo Fundo, às 20 horas.
*Realização de debate com o público após a apresentação
*Realização de 2 oficinas de teatro (com 2 horas de duração cada) para público de 15 pessoas, cada. Local: sala 04 do IFCH, turnos manhã (8h) e tarde (14h).

-29/08: Palestra "MALVINAS: o Atlântico Sul no cenário contemporâneo - discursos, instituições e conflitos ". Palestrante: Prof. Dr. Diego Buffa


3) Outras informações:
-02/07: início do período para protocolar pedidos de transferência, reingresso, reopção de curso, campus e turma, reabertura de matrícula, aproveitamento de estudos e disciplina isolada

-13/07: início das postulações de formatura para 2012/2 e do período para protocolar pedido de disciplina em concomitância e disciplina em Regime Especial de Estudo

- 13/07: início do período de renovação de matrícula para os cursos de graduação em regime regular (conforme cronograma de cada curso)

-27/07: término do período para protocolar pedidos de transferência, reingresso, reopção de curso, campus e turma, reabertura de matrícula, aproveitamento de estudos e disciplina isolada

-28/07: término do período de renovação de matrícula para os cursos de graduação em regime regular (conforme cronograma de cada curso)

Paraguai: Quem São os Derrotados?



Terça-Feira, 26/06/2012 por Mário Maestri

Na Grande Guerra do Prata, de 1864-70, o Paraguai foi derrotado nacional e socialmente pelo Império, pela Argentina liberal-unitária e pelo Uruguai colorado. Teve sua autonomia nacional violada pela ocupação militar, por governos títeres, por longa interferência brasileira e argentina nos seus assuntos internos. Pagou fortes indenizações de guerra e perdeu importantes territórios.


A derrota paraguaia deveu-se à aniquilação de seu campesinato, a grande singularidade daquela nação. Já forte na Colônia, ele expandira-se e consolidara-se durante o regime jacobino francista [18134-1840]. Os soldados que resistiram como leões à invasão o Paraguai, em 1865-70, eram camponeses defendendo suas chácaras da voracidade da ordem oligárquico-latifundiária.


Após a derrota, a reconstrução liberal-mercantil do Paraguai deu-se sob a hegemonia-competição dos partidos liberal e colorado. O primeiro foi formado sobretudo pelos proprietários refugiados desde os tempos do doutor Francia em Buenos Aires. Durante a guerra, eles integraram a Legión Paraguaya, tropa colaboracionista subordinada aos invasores. No geral, defendeu o liberalismo extremado e os interesses argentinos.


O Partido Colorado, autoritário e populista, foi fundado pelo general Bernardino Caballero [1839-1912], alto oficial paraguaio escapado à morte. Formado pelo que sobrara das classes dominantes lopiztas e apresentando-se como continuação nacional-popular da resistência, contou com apoio entre a população jamais alcançado pelos liberais, vistos como colaboracionistas serviçais.


Os colorados expressaram os interesses do Estado imperial e republicano brasileiro. Prisioneiro brevemente no Rio de Janeiro, Caballero estreitara os laços com o Império. Foi o ex-general lopizta que privatizaria, em 1885, as enormes terras públicas, após a guerra de 1865-70, quando presidente da República [1880-86], em golpe derradeiro nos camponeses, de fortes raízes guaranis, dizimados na resistência.


A longa ditadura colorada do general Alfredo Stroessner (1954-89) resgataria Solano López como herói nacional, enquanto reprimia a população rural e seguia entregando as terras do país ao latifúndio, sobretudo estrangeiro. Deposto em fevereiro de 18, morreu em exílio dourado no Brasil, apesar da carnificina com que mantivera a ordem ditatorial.


Após a queda controlada da ditadura, no contexto de população reprimida e  desorganizada, o populismo conservador colorado continuou dominando a política, apoiado em métodos gangsteris, seguindo os liberais no seu jejum de poder. Em  de abril de 2008, após meio século de hegemonia colorada, vencia as eleição Fernando Lugo. Desde 2006, o “bispo dos pobres”, ligado à Teologia da Libertação e aposentado pela Igreja, militara na política, liderando partidos de oposição, centrais sindicais, movimentos sociais, etc. contra o continuísmo colorado.


Candidato pela Aliança Patriótica pela Mudança, Lugo superou de longe o segundo colocado. Durante a campanha, restringira seu programa à luta contra a “desigualdade social”, pela “reforma agrária”, contra a corrupção, por melhor preço para a eletricidade vendida ao Brasil. Impugnara luta por modificação estrutural e afastara-se das políticas de governos como o venezuelano, boliviano, etc. O vice-presidente – Federico Franco – pertencia ao Partido Liberal [Radical Autêntico], que via em Lugo meio de pôr fim, mesmo subalternizado, ao longo afastamento do poder.


No governo, Lugo deu as costas ao movimento social que lhe levara à presidência, empreendendo administração socialmente pífia, refém da maioria conservadora quase absoluta na Câmara e Senado. Foi assediado por denuncias de corrupção, de apoio a grupos armados, de vida sexual dissoluta, que procuravam transformar o movimento que o levara à presidência em um hiato histórico, e não em instrumento de construção de organização e autonomia do movimento social.


Ordem judicial de reintegração de latifúndio de dignitário colorado resultou em nebuloso confronto armado entre camponeses e policiais, com dezena de mortos e o presidente solidarizando-se com as forças repressivas, enquanto sem-terras eram perseguidos, presos e torturados. É difícil dizer se o confronto fez parte do plano do golpe ou foi apenas aproveitado para tal.

Com o julgamento galopante do impeachment procurou-se impedir a temida mobilização da população rural, caixinha de Pandora que a direita não quer abrir. A derrota do golpe através da galvanização de camponeses e sem-terras era também tudo que o governo brasileiro não queria. Com pusilanimidade singular, Lugo submeteu-se disciplinadamente ao golpe, esforçando-se para desmobilizar qualquer resistência, sob a desculpa de impedir derramamento de sangue, que vertera sem dó em Ybyrá Pytá.

O novo presidente já sinalizou a forte repressão à luta pela terra, nesse país essencialmente agrícola. Sem jamais sair das sombras, o governo Obama liquidou com o bispo vermelho e fragilizou a Venezuela, Bolívia, Equador, etc., sem as dificuldades do golpe hondurenho de 2009. Conta agora com governo súcubo, bem juntinho da Argentina e do Brasil. Uma cenário escrita com a ajuda da política de flexibilização ao imperialismo do governo da senhora Dilma Rousseff.


Fonte: O Nacional

1945 - É fundada a Organização das Nações Unidas

A nova instituição substitui a Sociedade das Nações ou Liga das Nações, nascida em 1920 a partir do fim da Primeira Guerra Mundial



No dia 26 de junho de 1945, em São Francisco, representantes de 51 países fundam a Organização das Nações Unidas. A nova instituição substitui a Sociedade das Nações ou Liga das Nações, nascida em 1920 a partir do fim da Primeira Guerra Mundial. Sua sede foi transferida de Genebra para Nova York, em um terreno de sete hectares oferecido pelo bilhonário David Rockefeller na mais importante metrópole do planeta.
A ideia de uma organização supranacional capaz de garantir de uma "paz perpétua" remonta ao iluminismo do século XVIII. Foi apresentada tanto pelo abade de São Pedro quanto pelo filósofo Immanuel Kant. É retomada em 1918 pelo presidente norte-americano Woodrow Wilson em seus Catorze Pontos e inscrita no Tratado de Versalhes.
A Sociedade das Nações nasce oficialmente com 32 Estados membros em 10 de janeiro de 1920, data em que entra em vigor o Tratado de Versalhes. Porém, o Senado norte-americano, por conta de disputas políticas internas e por temer se envolver de novo numa guerra europeia, não o ratificou e impediu a adesão dos EUA. Isso a enfraqueceu gravemente.
A Sociedade das Nações ajuda ativamente a pôr de pé os novos Estados danubianos. Estimula a reaproximação franco-alemã sob a égide dos ministros Briand e Streseman. O Escritório Internacional do Trabalho, que emana da organização, aporta sua contribuição ao progresso social. Entretanto, nos anos 1930, a organização se mostra incapaz de pôr um basta às sucessivas violações dos tratados de paz e às ações bélicas de conquista. Não consegue impedir a marcha certa em direção à guerra e desaparece a partir de 1938.
WikiCommons
Em 1941, no começo da Segunda Guerra Mundial, o presidente norte-americano e seu aliado britânico, o primeiro-ministro Winston Churchill, contemplam a criação de uma nova organização supranacional. Esse projeto figurava na Carta do Atlântico. Chega a bom termo na Conferência de São Francisco, seis semanas após a capitulação da Alemanha e dois meses antes do Japão.
A nova instituição comporta três pilares e diversas organizações satélites. Em primeiro lugar a Assembleia Geral, onde coabitam alguns gigantes como China e India e uma profusão de anões de menos de um milhão de habitantes com o mesmo direito de voto e igual soberania. Isso impede a ONU de se assemelhar a um governo mundial.
O recinto novaiorquino tem por principal vantagem manter contatos permanentes entre os diplomatas de todos os países. Faz o papel de um congresso sem começo nem fim onde são tratados os problemas do mundo à medida que vão surgindo. O Secretariado Geral é quem se ocupa da administração da ONU. É eleito por cinco anos renováveis pela Assembleia Geral por indicação do Conselho de Segurança. O Conselho de Segurança, por sua vez, reunia na origem quatro membros permanentes (EUA, União Soviética, Reino Unido e França). Membros não-permanentes são eleitos a cada dois anos pela Assembleia Geral e não podem ser imediatamente reeleitos.
Tais membros eram originalmente seis e, atualmente são dez. É no Conselho de Segurança que se discutem e se tomam decisões relativamente à paz internacional, com a possibilidade de se decidir por sanções diplomáticas ou econômicas ou mesmo autorizar uma ação militar, como foi o caso em 1991 em seguida à invasão do Kuweit pelo Iraque. A ação do Conselho é frequentemente travada pelo direito de veto dos membros permanentes.
Contando inicialmente com 51 Estados-membros, essencialmente países ocidentais e europeus, a ONU comporta hoje 192. Dela não faz parte, por exemplo, o Vaticano e o Principado de Liechtenstein. Emprega cerca de 10 mil funcionários e administra um orçamento anual de cerca de quatro bilhões de dólares, insuficiente para a quantidade crescente de missões.
Ao contrário da Sociedade das Nações, a ONU dispõe de força militar de manutenção da paz ou de interposição, os "capacetes azuis". Contudo, não é suficiente para prevenir todos os dramas do planeta. "A ONU não criou o paraíso, mas tem evitado o inferno" disse seu segundo secretário geral, Dag Hammarskjöld. Seguramente, se a principal potência e outras respeitassem e cumprissem as decisões do organismo, o inferno seria menos tenebroso.
Fonte: Opera Mundi

terça-feira, 26 de junho de 2012

Memórias de uma ex-estagiária...


O nome da coluna do AHR publicada quinzenalmente no jornal O Nacional é Memórias do AHR, pois os textos são escritos a partir do vasto material que lá se encontra disponível. Minha proposta hoje é diferente: escreverei sobre as memórias que eu guardei sobre o Arquivo.

Há quase dois anos deixei de ser estagiária do Arquivo Histórico Regional, escolha que fiz para poder me dedicar ao estágio docente. Não houve um dia sequer desde a saída que eu não tenha pensado no Arquivo e principalmente nas pessoas que lá trabalham. Lembro do primeiro dia, quando fui apresentada aos funcionários do Arquivo. Quanta coisa para fazer, quantos cuidados que eu devia ter... Digitalizar documentos sem flash, pois cada vez que a luz da câmera, de um scanner ou xerocadora incide sobre o papel, lá se vão dez anos de sua vida. E é claro que não queria diminuir a vida de um livro de 1877! 

Depois, passei a limpar os processos do Arquivo Judiciário. As estantes são limpas todas as semanas, porque papel acumula muito pó e ele já se sente membro honorário do AHR. Por falar em estantes, de todos os trabalhos que eu realizei, nenhum é mais estressante do que arrumar a biblioteca. Eu tenho ataques até hoje só de lembrar. Respeito muito quem é bibliotecário e quando eles pedem para não repor os livros nas estantes, obedeçam, pois é dessa forma que estarão ajudando. Aprendi a trocar lâmpadas e fiz o faxinão do final de ano. Posteriormente, aprendi a restaurar documentos antigos como jornais, revistas e livros. Não, nós não podemos grampear ou colocar fitas adesivas para remendar papéis antigos, eles só contribuem para a deterioração mais rápida do mesmo. Aprendi inúmeras outras coisas, que tomariam mais de que essa coluna no jornal. Trabalhando no Arquivo eu aprendi a cuidar e sim, a conversar com os documentos.

O Arquivo Histórico não está limitado ao âmbito dos historiadores. Jornalistas, publicitários, advogados, geógrafos, e sem dúvida, a comunidade pode encontrar diversas formas de conhecimento ali. A variedade do acervo vai de mapas a revistas, de livros literários a processos judiciais. Basta ser curioso. Organizando somente os jornais, descobri tudo o que aconteceu nos aniversários da minha família, no dia em que meus pais casaram, pude perceber a evolução de edição, diagramação e abordagens dos jornais e das propagandas no decorrer dos anos, aprendi História lendo sobre economia, política, cultura e esportes. Acreditem, as pessoas já viveram muito bem com um salário mínimo de R$126,00. Há de tudo para todos.

Além de ser uma jornada maravilhosa, tive o prazer de conviver com pessoas incríveis. Entre um trabalho e outro (quando esse não exigia dedicação exclusiva) conversávamos sobre tudo: livros, correntes historiográficas, eleições, Natal, Gre-Nal, o preço dos produtos no mercado, tempo, alegrias, tristezas... Enfim, conversávamos sobre a vida e sobre o que esperávamos dela. E eu me lembro de todas as lições que aprendi, de todo o conhecimento que compartilharam comigo, de me acharem mimada (no bom sentido) também! Lembro de sempre acreditarem e apoiarem meu sonho, me incentivando a nunca parar. 

Lembro como foi doído bater meu último meu ponto. Mas quando o fiz, tinha - como tenho até hoje, plena certeza de que toda a experiência valeu à pena. Todo o aprendizado e amadurecimento adquirido, os relacionamentos construídos e mantidos... Diferente de outros, posso escrever com todas as letras que eu tive o MELHOR PRIMEIRO EMPREGO do mundo!

Helena Teston
Licenciada em História e ex-estagiária do AHR

26 de junho: Dia Mundial em Apoio às Vítimas de Tortura

26/06/2012 - 00:00 | Enviado por: Lucyanne Mano


Instituído durante a Assembleia Geral das Organizações das Nações Unidas no ano 1997, o Dia Mundial em Apoio às Vítimas de Tortura, mais do que uma homenagem às pessoas que sofreram práticas da tortura, é um alerta ao governo e à sociedade, pela reafirmação da condenação coletiva da tortura e de todos os tratamentos cruéis, desumanos e degradantes, e principalmente, um apelo por sua erradicação contra a humanidade.

Segundo determinação da ONU, a tortura não pode ser justificada sob nenhuma circunstância, sendo expressamente proibida em inúmeros documentos internacionais. Além de causar danos físicos e psicológicos na vítima, este ato cruel também fere a dignidade humana.

Fonte: JBlog

Matrículas dos aprovados no Vestibular de Inverno iniciam neste dia 26/06


Foto: Leonardo Andreoli
Aprovados em primeira chamada realizarão matrículas de 26 a 28/06
As matrículas para os aprovados em primeira chamada no Vestibular de Inverno da Universidade de Passo Fundo (UPF) acontecem nestes dias 26, 27 e 28 de junho. O processo seletivo, maior de inverno da história da instituição, ocorreu no último sábado, dia 23, e reuniu mais de 6 mil candidatos no Campus Passo Fundo e nos campi Carazinho, Casca, Soledade e Sarandi.

As matrículas devem ser feitas pessoalmente pelo candidato classificado na Central de Atendimento ao Aluno, prédio J1 (Campus I), ou no campus onde o vestibulando participou do processo seletivo.

Os documentos necessários são: Histórico Escolar do Ensino Médio (original), contendo certificado de conclusão, carga horária, notas ou conceitos (Lei 9394/96); cópia da certidão de nascimento ou de casamento; cópia do documento militar atualizado (candidato do sexo masculino); cópia do documento eleitoral, se maior de 18 anos; cópia da carteira de identidade e do CPF; atestado médico e eletrocardiograma (para o curso de Educação Física).

Confira as datas e horários das matrículas por curso acessando o site vestibular.upf.br, menu Matrículas.

Segunda chamada 
Os aprovados em segunda chamada no Vestibular serão conhecidos no dia 29 de junho, às 14h, pelo site da UPF (www.upf.br) e também pelo site do Vestibular.

Mais informações podem ser obtidas através do Disque-Vestibular 0800 701 8220 ou no site vestibular.upf.br.

1948: Corredor aéreo abastece Berlim Ocidental


No dia 26 de junho de 1948, dois dias após o bloqueio completo de Berlim Ocidental pelas tropas soviéticas, foi iniciado o abastecimento aéreo da cidade encravada na então Alemanha Oriental.
Os aviões eram ansiosamente esperados em Berlim
Após o fim da Segunda Guerra Mundial, da mesma forma como a Alemanha havia sido dividida em dois Estados – um administrado pelos Aliados ocidentais e o outro, pelos soviéticos – também a cidade de Berlim foi dividida em duas partes: a oriental e a ocidental. Por localizar-se no leste do país, Berlim Ocidental era um enclave da Alemanha Oriental.
Chegada do primeiro avião da ponte aérea, um C-54, em Tegel
Em represália à determinação dos Aliados de introduzir o marco alemão como unidade monetária também em Berlim Ocidental, de 23 para 24 de junho de 1948 o então chefe de estado soviético Josef Stalin ordenou o bloqueio de rodovias e ferrovias e do transporte fluvial.
Como a cidade de 2,2 milhões de habitantes ainda estivesse em ruínas, ela dependia completamente da ajuda externa. Isolado das zonas ocidentais e de Berlim Oriental, o oeste de Berlim ficou sem luz e alimentos até 12 de maio de 1949, dia em que a União Soviética encerrou o bloqueio.
O administrador militar da zona americana, general Lucius Clay, sugeriu quebrar o bloqueio usando tanques, mas a ideia foi rejeitada por Harry Truman, presidente norte-americano na época, que temia os riscos de uma provocação aos soviéticos.
Gêneros básicos e usina termelétrica completa
A resposta dos Aliados foi o abastecimento pelo ar – ou Operação Vittles, a maior e mais importante operação aérea de ajuda humanitária já realizada. Os três corredores aéreos de 32 quilômetros de largura ligando Berlim a Hamburgo, Frankfurt e Bückeburg haviam sido aprovados pelos Aliados já em 30 de novembro de 1945, para o transporte regular entre a Alemanha Ocidental e Berlim Ocidental.
De 26 de junho de 1948 a 12 de maio do ano seguinte, foram realizados 277.278 vôos e transportadas 2.326.205 de toneladas de gêneros básicos – principalmente carvão e alimentos, mas também os componentes para a montagem de uma usina termelétrica completa. Os principais destinos em Berlim eram a base aérea britânica de Gatow e os aeroportos Tempelhof e Tegel.
Para as crianças, os voos tinham um significado especial, pois também traziam chocolates e doces, muitas vezes jogados em pequenos pacotes pelo Rosinenbomber (bombardeiro das passas), em alusão aos enormes aviões que em vez de bombas jogavam doces.
Gail Halvorsen, aos 88 anos, distribui chocolates em maio de 2008 na Exposição Aeroespacial em Berlim
Gail Halvorsen é um dos pilotos que entrou para a história. Foi ele que teve a ideia de jogar pela janela, durante a aterrissagem, chocolates e gomas de mascar amarrados em lenços de pano que caíam ao chão como minúsculos paraquedas.
Certo dia em julho de 1948, ao pousar em Tempelhof e ver um grupo de crianças, pensou em lhes dar um presente. O que tinha naquele momento eram apenas duas gomas de mascar, que partiu em vários pedaços e distribuiu entre a criançada.
A fascinação e satisfação foram tão grandes que Halvorsen prometeu que da próxima vez traria mais e jogaria do avião. Seus colegas se deixaram contagiar pela felicidade das crianças e o imitaram. Até o final da ponte aérea, em 1949, haviam sido distribuídas 20 toneladas de chocolates, gomas de mascar e outras guloseimas.
Uma aterrissagem a cada 63 segundos
Para a época, uma operação aérea desse porte foi um acontecimento ímpar, principalmente pela logística exigida. Em poucas semanas, haviam sido reunidos em Frankfurt mais de 200 aviões para a tarefa. Foram removidas poltronas e paredes para o acondicionamento de carne, farinha e carvão, enquanto tanques especiais foram ampliados para o transporte de mais combustível.
O primeiro grande problema logístico foi a organização do cronograma: os aviões mais lentos tinham uma hora para aterrissar, enquanto os mais rápidos dispunham de 45 minutos. O piloto que não conseguisse pousar no tempo previsto era obrigado a retornar com a carga a Frankfurt, para não atrasar os demais.
O monumento em Frankfurt, ao lado de um 'Rosinenbomber' do tipo DC-3 Dakota
O ponto alto da operação – e que levou a um registro no livro Guinness de Recordes – foi a parada de Páscoa de 16 de abril de 1949, quando num único dia foram transportadas 12.940 toneladas de carvão, combustível e alimentos. A cada 63 segundos pousava um avião sobre uma pista provisória de metal em Gatow e Tegel.
Mesmo a pista, construída há 60 anos por 19 mil berlinenses, principalmente mulheres, merece registro histórico: em apenas 85 dias, trabalhando dia e noite, eles conseguiram edificar em Tegel a pista de pouso e decolagem mais longa da Europa na época, com 2.400 metros de extensão.
Por envolver milhares de pessoas, o projeto também custou vidas. Nos 11 meses que durou a operação, dificuldades técnicas e o mau tempo causaram a morte de 78 pessoas, das quais 31 norte-americanos, 39 ingleses e oito alemães.
  • Autor DW/Agências (rw)
  • Fonte: DW-World

Retrospectiva em Londres traz uma Bauhaus divertida, repleta de objetos pessoais


As linhas funcionais da escola Bauhaus, embebida no ideário socialista pós-revolução russa de 1917, teve influência tão forte no modernismo que um passo adentro da retrospectiva em cartaz hoje noBarbican Centre, em Londres, cria uma rica sensação de familiaridade com esse grupo de artistas, apesar de tão distantes no tempo.

Erich Consemüller
Ise Gropius sentada em uma cadeira tubular de Marcel Breuer: máscaras e fantasias 

Ao todo, cerca de 400 trabalhos estão expostos, de móveis a brinquedos, mas são os objetos pessoais que capturam uma quase impensável essência lúdica da escola alemã. Os convites de festa, as fantasias, os presentes feitos à mão e as fotografias íntimas de professores e estudantes mostram que a criatividade da Bauhaus transbordava sua essência direcionada ao industrial.

No aniversário de 50 anos do pintor Paul Klee, que dava aulas sobre teoria das cores na escola, estudantes decidiram alugar um avião da Junkers, cuja fábrica era em Dessau, uma das cidades que abrigaram a escola. Do céu, eles lançaram presentes em pacotes com formato de anjo sobre a casa do mestre.

Klee, em agradecimento, pintou Presentes a J (1928), que é parte do acervo do MoMA, de Nova York, mas está em cartaz e é uma das grandes atrações na retrospectiva.

Divulgação
Brinquedos também fizeram parte da produção da escola, que marcou época pela diversidade

O mergulho divertido na Bauhaus (cuja tradução é “casa para construir”) continua por fotos das festas na escola, em que estudantes usam fantasias feitas à mão e máscaras robóticas, que eram também figurino dos workshops de teatro. Sua mística é tão invejável quanto o legado. Enquanto todo designer imagina como teria sido estudar lá, escritores ainda hoje inventam personagens para seus livros inspirados na atmosfera criativa da Bauhaus.

“Um senhor me pediu para ajudá-lo em uma pesquisa sobre o que há de novo nessa retrospectiva. Ele é da República Tcheca e está escrevendo um romance em que o personagem principal estuda na escola”, contou ao Opera Mundi a satisfeita Catherine Ince, curadora da mostra, que vai até agosto.

Política e nazismo

Estranho imaginar um ambiente tão criativo em um período soturno, entre guerras. A escola Bauhaus foi fundada em 1919 pelos arquitetos Henry van de Welde e Walter Gropius na tentativa de combinar arte e tecnologia em uma Alemanha desmoralizada. Não por menos, a Bauhaus foi totalmente custeada pelo Estado. Frágil, pereceu em 1933 pelas mãos do nazismo depois de uma série de baques em seu orçamento.


Para continuar lendo clique aqui.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

Edital de seleção de bolsistas PIBID História


UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO
Vice-Reitoria de Graduação
Programa Institucional de Bolsa de Iniciação
à Docência PIBID/CAPES/UPF

ATENÇÃO!!
AS ENTREVISTAS COM CANDIDATOS A BOLSISTAS PIBID HISTÓRIA SERÃO REALIZADAS NAS NOITES DOS DIAS 10 E 11 DE JULHO - O CRONOGRAMA SERÁ DIVULGADO NO DIA 09. 


EDITAL DE AMPLIAÇÃO PIBID/CAPES/UPF nº 1/2012
BOLSAS PARA LICENCIATURA


A coordenação institucional do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID/CAPES/UPF) comunica aos/às acadêmicos/as dos cursos de licenciatura da Universidade de Passo Fundo listados a seguir que estão abertas inscrições para candidatura à bolsa de iniciação à docência no período de 25 de junho a 06 de julho de 2012, referentes ao Edital PIBID-CAPES nº 11/2012, conforme as informações que seguem: 


1 Os cursos e respectivas vagas contemplados neste edital são:


Artes Visuais – 10 vagas
Biologia Passo Fundo – 20 vagas
Educação Física Passo Fundo – 20 vagas
Filosofia – 15 vagas
Geografia – 5 vagas
História – 20 vagas
Letras Espanhol Lagoa Vermelha – 10 vagas
Letras Inglês Passo Fundo – 15 vagas
Música – 15 vagas
Pedagogia Carazinho – 10 vagas


2 A bolsa terá vigência de doze meses, com início previsto para Agosto/2012 e não gera
vínculo empregatício de qualquer natureza.


3 Poderão candidatar-se os/as acadêmicos/as regularmente matriculados/as nas licenciaturas anteriormente nomeadas, que estejam cursando qualquer um dos níveis,
desde que declarem que não colarão grau nos próximos 12 meses.


4 Os/as acadêmicos/as selecionados/as receberão uma bolsa mensal no valor de R$
400,00 (quatrocentos reais), devendo disponibilizar, em contrapartida, 20 (vinte) horas semanais de trabalho para o Programa, em horários diferentes do turno regular do curso.


5 As atividades envolvem estudos, investigações e intervenções pedagógicas na área de
atuação do licenciando, a serem desenvolvidas tanto no espaço universitário quanto no
espaço escolar.


6 O processo de seleção dos/as licenciandos/as bolsistas será realizado com base em
entrevista e análise dos seguintes documentos fornecidos pelos/as acadêmicos/as candidatos/as à bolsa:


6.1 Ficha de Inscrição, a ser acessada pelo seguinte endereço:
(http://usuarios.upf.br/~thiane/inscricao_licenciandos.doc)


6.2 Termo de compromisso do/a acadêmico/a, conforme modelo institucional, a ser
acessado pelo seguinte endereço:
(http://usuarios.upf.br/~thiane/Termo_licenciandos_2012.doc)


6.3 Declaração de que não colará grau nos próximos 12 (doze) meses.


6.4 Declaração de motivos e disponibilidade para participar do programa, com justificativa de interesse em atuar futuramente em escolas públicas.


6.5 Rascunho do Boletim de Desempenho Acadêmico.


6.6 Currículo demonstrando participação em eventos, congressos e simpósios;
atividades de monitoria e/ou tutoria na universidade; participação em projetos de extensão, de ensino e/ou pesquisa, dentre outros.


7 A documentação deverá ser protocolada na Central de Atendimento ao Aluno e
endereçada para a coordenação de área do PIBID da respectiva licenciatura, a saber:

Artes Visuais – Profª Cilene Potrich - cilene@upf.br
Biologia – Profª Lisete M. Lorini - lisete@upf.br
Educação Física – Profª Sybelle Regina Carvalho Pereira - sybelle@upf.br
Filosofia – Prof Gerson Luís Trombetta - gersont@upf.br
Geografia – Profª Luciane Rodrigues de Bitencourt - lrb@upf.br
História – Profª Gizele Zanotto - gizele@upf.br
Letras Espanhol Lagoa Vermelha – Profª Gisele Benck de Moraes – gbenck@upf.b
Letras Inglês Passo Fundo – Profª Luciane Sturm – lusturm@upf.br
Música – Prof. Alexandre Saggiorato - saggiorato@upf.br
Pedagogia Carazinho – Profª Cármen F.C. de Souza - cfcsouza@upf.br


8 A seleção será realizada mediante análise da documentação e entrevista realizada por
uma comissão composta pela respectiva coordenação da área do PIBID/CAPES/UPF e
um/uma professor/a integrante do colegiado do curso.


9 Todas as informações relativas ao Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à
Docência PIBID/CAPES/UPF estão disponíveis no sítio da CAPES
http://www.capes.gov.br/educacao-basica/capespibid e no portal do PIBID-UPF
www.upf.br/pibid.


10 A divulgação dos/as acadêmicos/as selecionados/as será publicada no site da UPF e
no Portal do PIBID-UPF no dia 18 de julho de 2012.


Passo Fundo, 25 de junho de 2012.
Profª Dr. Flávia Eloisa Caimi
Coordenadora Institucional do PIBID/CAPES/UP



Clique aqui para baixar o edital.