domingo, 28 de março de 2010

A História Oficial - Ciclo de Cinema 16 de abril

Título no Brasil: A História Oficial
Título Original: The Official Story
País de Origem: Argentina
Gênero: Drama
Tempo de Duração: 113 minutos
Ano de Lançamento: 1985
Estúdio/Distrib.: Europa Filmes
Direção: Luis Puenzo

Sinopse: Alícia é uma professora de História pertencente à classe média argentina. Ela convive com pessoas tanto de esquerda quanto de direita, mas desconhece as tragédias pessoais geradas em seu país pela ditadura militar (1976-1983). Ela é uma mãe atenciosa para a filha Gaby, uma criança adotada e trazida para casa por seu marido Roberto.

Após o retorno do exílio da amiga Ana, uma ex-presa política, Alícia começa a descobrir os horrores praticados contra os opositores do regime. Ela começa então a crer na possibilidade de que seu marido teria mantido relações escusas com a máquina repressora do regime e adotado Gaby depois que seus pais, possíveis presos políticos, foram assassinados. A investigação de Alícia para descobrir a origem de sua filha a leva a hospitais insalubres, à igreja frequentada pela família (onde se depara com o silêncio do padre, numa cena que causou problemas com a Igreja Católica por retratar a omissão desta para com o regime) e, finalmente, a uma manifestação das Mães da Praça de Maio, onde encontra aquela que seria a avó biológica de sua filha.

PRÊMIOS E INDICAÇÕES
Festival de Berlim
* 1986: Prêmio Interfilm - Otto Dibelius – Luis Puenzo (vencedor, empatado com Lina Wertmüller por Un complicato intrigo di donne, vicoli e delitti)

Festival de Cannes
* 1985: Melhor atriz – Norma Aleandro (vencedora, empatada com Cher por Mask)
* 1985: Prêmio do Júri Ecumênico – Luis Puenzo (vencedor)
* 1985: Palma de Ouro – Luis Puenzo (indicado)

Globo de Ouro
* 1986: Melhor filme estrangeiro (vencedor)

Oscar
* 1986: Melhor filme estrangeiro (vencedor)
* 1986: Melhor roteiro original – Luis Puenzo e Aída Bortnik (indicados)

Prêmio David di Donatello
* 1987: Melhor atriz estrangeira – Norma Aleandro (vencedora)

QUANDO: 16 de abril de 2010 (sexta-feira)
O QUÊ: Ciclo de Cinema III: Continente Americano
ONDE: Auditório da Biblioteca
DEBATEDOR: Profa. Ana Luiza Setti Reckziegel


quarta-feira, 24 de março de 2010

V SIEA - Ficha de inscrição de trabalho


INSTRUÇÕES PARA ENVIO DOS ARTIGOS


- Os artigos devem ter o mínimo de 8 e o máximo de 15 páginas
- Letra: Times New Roman
- Fonte: 12
- Espaçamento: Texto, espaço 1, 5. Citações diretas com mais de 4 linhas, espaço simples.
- Margens ( superior, inferior, direita e esquerda): 3,0cm Citações com mais de 4 linhas devem ser reentradas em 4,0cm.
- As Notas deverão constar no rodapé numeradas sequencialmente.
- Referências : deverão constituir uma lista única no final do artigo, em ordem alfabética, de acordo com as regras da ABNT.
- O autor deverá estar identificado logo abaixo do título do artigo. O nome do autor deve vir acompanhado de um asterisco e na nota de rodapé, constando a titulação e vínculo institucional do autor

-ENVIO DE RESUMOS : ATÉ 22 DE ABRIL . Os resumos devem ter até 1200 caracteres ( sem espaço) e ser enviados para pghis@upf.br, conforme ficha de Inscrição disponível no link de "Downloads".

terça-feira, 23 de março de 2010

Inscrições abertas para I Ciclo de cursos de qualificação de alunos pesquisadores

22/03/2010 - 17:05
Inscrições abertas para I Ciclo de cursos de qualificação de alunos pesquisadores

O grupo de Estudo e Pesquisa em Inclusão Digital do Curso de Ciência da Computação da Universidade de Passo Fundo (UPF) estará realizando nos dias 31 de março, 14 e 28 de abril, o "I Ciclo de cursos de qualificação de alunos pesquisadores". O ciclo é destinado prioritariamente aos alunos de graduação e pós-graduação que desenvolvem estudos no âmbito do grupo de pesquisa, entretanto, em sua primeira edição, destinará vagas a alunos de outros grupos de pesquisa da instituição que desejarem participar.

O objetivo é oferecer aos acadêmicos envolvidos em pesquisa, seja como bolsistas de iniciação científica, voluntários de iniciação científica, alunos em fase de desenvolvimento de trabalho de conclusão de curso de graduação ou de dissertação de mestrado, subsídios necessários para a criação de estratégias de sistematização e divulgação de suas pesquisas.

A inscrição é gratuita e deve ser feita por e-mail. Para tanto, envie seu nome, número de matrícula, curso e grupo de pesquisa do qual participa (se for o caso) para teixeira@upf.br. Ao final do ciclo, será disponibilizado um atestado de participação para aqueles que tiverem concluído os três cursos. Mais informações podem ser obtidas também pelo e-mail teixeira@upf.br .

O cronograma está organizado da seguinte maneira:

31/03 - GRUPOS DE PESQUISA
Das 18h às 19h
Local: Auditório B5
Conteúdo a ser desenvolvido:
> O que é um grupo de pesquisa?
> Quem é e qual a função do líder do grupo de pesquisa;
> Critérios de existência de um grupo;
> Quem são os componentes de um grupo?
> Como um grupo se consolida?

14/04 - CURRÍCULO LATTES
Das 18h às 19h
Local: LCI
Conteúdo a ser desenvolvido:
> O que é o currículo Lattes?
> Dicas de preenchimento para consolidação de um grupo.

28/04 - CONSTRUINDO ARTIGOS CIENTÍFICOS
Das 18h às 19h
Local: Auditório B5
Conteúdo a ser desenvolvido:
> Conceituação e características;
> Estrutura do artigo;
> Título;
> Autor(es);
> Resumo e Abstract;
> Palavras-chave;
> Corpo do artigo;
> Introdução.

Fonte: Imprensa UPF

Cinema e História em debate












A projeção do primeiro filme do III Ciclo de Cinema do Curso de História, ocorrido na noite desta segunda-feira, revelou a proficuidade de um diálogo crítico entre Cinema e História. O filme Viva Zapata!, apresentado na ocasião, despertou o interesse dos presentes à projeção e instigou-os a conhecer, para além da história do próprio líder camponês Emiliano Zapata, a utilização de sua imagem mitológica pelo Exército Zapatista de Libertação Nacional (EZLN) que atua no México desde os anos 1990. Sob a coordenação do prof. Adelar Heinsfeld, o debate trouxe à tona questões sobre história e luta campesina, mitificação, idealismo, entre outros temas propostos pelo debatedor e público presente.

A próxima projeção acontecerá no dia 16 de abril, sob coordenação da Profa. Ana Luiza Reckziegel. O filme apresentado na ocasião será A História Oficial.
Agende-se e participe das atividades do curso!



Regulamentação da Profissão

Caros colegas das Seções Regionais,

encontra-se no site da ANPUH Nacional o Dossiê sobre a Regulamentação da Profissão de Historiador.
Podemos acessá-lo no página inicial ou no link Profissionalização http://www.anpuh.org.

Atenciosamente,
Pablo Serrano (Secretário da ANPUH-Nacional)

segunda-feira, 22 de março de 2010

Viva Zapata! inicia o III Ciclo de Cinema

Viva Zapata!
EUA, 1952. Dir. Elia Kazan. Roteiro de John Steinbeck. Com Marlon Brando, Anthony Quinn, Jean Peters, Joseph Wiseman, Arnold Moss e Alan Reed

Por Simone Pallone

Um grupo de lavradores vai até o presidente do México afimando que suas terras foram roubadas pelos grandes proprietários, que deixaram para eles apenas terras improdutivas. Entre eles está Zapata, filho de um camponês que há muito havia perdido suas terras, tornando-se então treinador de cavalos. O presidente sugere que eles demarquem suas terras antes de requerê-las de volta, mesmo que tenham, para isso, que atravessar as cercas já colocadas pelos grandes proprietários. Ao fazer isso, são atacados pelos fazendeiros armados.

É assim que começa o filme Viva Zapata!, de 1952, dirigido por Elia Kazan a partir do roteiro de John Steinbeck, com Marlon Brando e Anthony Quinn no elenco. O filme recebeu quatro indicações ao Oscar, mas apenas Quinn foi premiado como melhor ator coadjuvante.

O filme conta a história do líder revolucionário Emiliano Zapata, o qual liderou a revolução dos lavradores mexicanos contra a dominação dos grandes proprietários de terras que tomaram as terras dos camponeses apoiados pelo presidente Porfírio Diaz.

Reconhecido como líder do povo, Zapata é convocado por Francisco Madero, candidato derrotado à presidência, exilado nos EUA que visava a derrubada do governo. Madero, que comandava de longe a revolução, acreditava que, com ele ao norte e Zapata liderando os camponeses ao sul, eles conseguiriam o poder e a recuperação da democracia no país. Mas a única intenção de Zapata era que as terras fossem devolvidas para os agricultores, que dela tiravam seu sustento.

Entre lutas que provocaram a morte de muitos camponeses, Zapata e Madero conseguem derrubar Diaz, que foge para os Estados Unidos. Mas logo Madero também sofre um golpe e quem assume a presidência é o general Huerta, que mantém a opressão do povo e os latifúndios.

Zapata não desiste, mas, alertado por seu amigo o camponês Pablo Gomez, percebe que os ideais da revolução estão se perdendo em meio a interesses políticos. O objetivo dele e dos camponeses não era deter o poder e sim ter terras para plantar milho, que poderiam alimentar suas famílias e que lhes dessem condições para ter suas casas onde pudessem descansar ao fim do dia.

Une-se à luta, o revolucionário Pancho Villa, e os rebeldes conseguem derrubar Huerta, e Zapata assume a presidência. No entanto, quando se vê em situação semelhante à do começo do filme, com camponeses reivindicando que o seu próprio irmão devolva as terras que tomou deles, desiste do cargo e volta à luta. Ele se esconde nas montanhas onde continua liderando a luta pela reforma agrária, mas acaba morto em uma emboscada planejada por Aguirre.

Seu corpo é exposto em praça pública, mas imediatamente os camponeses que o encontram decidem que vão acreditar que seu herói ainda vive nas montanhas e que sempre que for preciso ele retornará.

Ainda hoje Zapata é um símbolo da reforma agrária, da luta pela terra e inspira movimentos sociais não só no México, onde evidentemente sua influência é maior, mas em outros países também.

A revolução protagonizada por Zapata e Pancho Villa lançou as bases de uma reforma agrária consagrada na Constituição da revolução, e que se manteria inalterada até as reformas de Salinas. O movimento de libertação de Chiapas, sul do México, retomou sua história de lutas e homenageia o líder dando seu nome ao Exército Zapatista de Libertação Nacional (leia artigo sobre o movimento zapatista).

Fonte: http://www.comciencia.br/resenhas/agraria/zapata.htm

QUANDO: 22 de março de 2010
O QUÊ: Ciclo de Cinema III: Continente Americano
ONDE: Auditório B3 - CET
DEBATEDOR: Prof. Adelar Heinsfeld

domingo, 21 de março de 2010

X Encontro Estadual de História


X ENCONTRO ESTADUAL DE HISTÓRIA
O Brasil no Sul: cruzando fronteiras
entre o regional e o nacional
26 a 30 de julho de 2010 - Santa Maria - RS
Universidade Federal de Santa Maria - UFSM
Centro Universitário Franciscano - UNIFRA

CRONOGRAMA

24 de fevereiro a 28 de março de 2010
Inscrições, através do envio de e-mail de formulário específico, para proponentes de simpósios temáticos e minicursos (somente para sócios da ANPUH).

12 de abril de 2010
Divulgação da relação de simpósios temáticos e minicursos aprovados.

12 de abril a 16 de maio de 2010
Inscrições, no site do evento, para apresentação de trabalhos nos simpósios temáticos e pôsteres de iniciação científica.

16 de maio de 2010
Data para pagamento de anuidade 2010 (e também de 2009, caso esteja em aberto) para inscritos na modalidade de sócios.

1.º de junho de 2010
Divulgação da relação dos trabalhos aceitos para apresentação nos simpósios temáticos e na sessão de pôsteres de iniciação científica.

1.º de julho de 2010
Divulgação da relação de inscritos nos minicursos. Posterior a esta data, novas inscrições somente no local (sujeito à disponibilidade de vagas).

4 de julho de 2010
Data limite para o envio do texto completo para os anais eletrônicos (somente para apresentadores de trabalhos em simpósios temáticos).

Setembro de 2010
Publicação dos anais eletrônicos (somente para apresentadores de trabalhos em simpósios temáticos que realizaram apresentação oral).

sábado, 20 de março de 2010

Camiseta do Curso




Está sendo elaborada a lista de pedidos de camisetas do curso de História UPF com os representantes de turma ou diretamente na Coordenação do Curso. As encomendas serão feitas até quinta-feira, dia 25 de março!

DESCRIÇÃO
- Poliviscose
- Preta
- Estampa em Policromia
- Modelos camiseta e baby look
- R$ 12,00

sexta-feira, 19 de março de 2010

Curso de História divulga os filmes do Ciclo de Cinema

O Ciclo de Cinema do curso de História da Universidade de Passo Fundo (UPF) definiu os filmes que integrarão a edição deste semestre. O tema do ciclo é Continente Americano e esta edição estará em conexão com o V Simpósio Internacional Estados Americanos, dedicado ao Bicentenário das Interdependências, que acontece em junho na UPF. A metodologia consiste em projetar as películas e promover um debate entre os presentes, mediado por um professor debatedor. A entrada é livre para todos os interessados.

Os detalhes sobre cada projeção serão disponibilizados no blog do Curso de História da UPF que pode ser acessado no link http://historiaupf.blogspot.com. A sinopse e ficha técnica do primeiro filme, Viva Zapata, já estão disponíveis. Outras informações podem ser obtidas com a coordenação do curso pelo telefone (54) 3316-8336.


Confira as datas, os filmes e os locais.

Data: 22 de março (segunda-feira)
Local: Auditório B3 CET
Filme: Viva Zapata
Debatedor: Adelar Heinsfeld

Data: 16 de abril (sexta-feira)
Local: Auditório da Biblioteca
Filme: A História Oficial
Debatedor: Ana Luiza Setti Reckziegel

Data: 26 de maio (quarta-feira)
Local: Auditório da FEAC
Filme: Estado de Sítio
Debatedor: Gizele Zanotto

Data: 25 de junho (sexta-feira)
Local: Auditório da FEAC ou B3 CET
Filme: Chove sobre Santiago
Debatedor: Eduardo Svartmann

Fonte: Imprensa UPF

UPF Editora realiza Feira Interna do Livro

18/03/2010 - 15:27

A UPF Editora realiza entre os dias 7 e 10 de abril a nona edição da Feira Interna do Livro. O evento ocorre em frente à Biblioteca Central, no Campus I da Universidade de Passo Fundo (UPF). Alunos, professores e funcionários da instituição poderão adquirir diversas obras com condições especiais de pagamento ou desconto de 50%. A feira visa divulgar as obras da UPF Editora e facilitar a aquisição por parte dos alunos.

O atendimento ao público nos dias 7, 8 e 9 de abril será feito das 9h às 21h30min sem fechar ao meio-dia. No dia 10 de abril, último dia do evento, o atendimento ocorre das 8h às 11h30min. Mais informações pelo telefone (54)3316-8373

Fonte: Imprensa UPF

quinta-feira, 18 de março de 2010

Memórias do AHR: Escadaria da Sete

15 de março de 2010

O Povo Reclama...

E os tempos mudaram. Uma vez ou outra já ouvimos alguém dizer essa frase em rodas de conversa pelo centro da cidade. Mudaram os tempos, as pessoas e também as suas necessidades. Mudaram-se o ritmo e o modo de se fazer algumas coisas. A cidade aumentou, cresceu. Mas, algo continua igual. As pessoas continuam a reivindicar por direitos que acreditam serem corretos. Então, também é por isso que os tempos e as necessidades mudam. Algo que antes se reivindicou pela existência agora pode ter seus dias contados também pela mesma via. Ao que era necessário agora falta utilidade.

Um caso concreto ? sim. Em 1939 uma parte da população de Passo Fundo mais diretamente a que transitava entre as ruas 7 de Setembro e Independência reclamava junto a Seção de Obras da Prefeitura, como também através da imprensa – em uma nota intitulada “O povo reclama” –, a construção de uma escada naquele cruzamento, pois facilitaria “o trânsito público no prolongamento da mesma rua, ao atravessar os trilhos” – que estavam instalados à rua 7 de setembro. E a mesma nota ainda reforçava a idéia da grande falta de uma escada “muito principalmente nos dias chuvosos, quando o local torna-se intransitável e perigoso”.

E setenta anos após a solicitação atendida podemos ver outra, envolvendo o mesmo caso, entretanto no sentido contrário: “Escada na rua Independência é muito pouco utilizada pelos pedestres. No entanto, pode se transformar em via para carros resolvendo parcela dos problemas de fluxo no centro da cidade”, sendo a “solução mais adequada a todos”.

Questões de acesso e mesmo de segurança alicerçam as reivindicações atuais. E, realmente, no momento não há como dizer que essa transformação não colaboraria com a melhoria do trânsito e do fluxo de carros no centro da cidade, já tão comprometido. Mas, isso ainda é algo com o que o poder público, os que transitam no local e a sociedade como um todo terão que debater, já que se trata de um patrimônio de todos.

De “O Povo Reclama: falta uma escada” até “Escada sem função” passaram-se 70 anos e,... os tempos mudaram em nossa cidade.

Benhur Jungbeck
Mestre em História
Imagen: Escadaria da rua Independência
esquina com Sete de Setembro
Fonte: Acervo AHR

terça-feira, 16 de março de 2010

Ciclo de Cinema: Viva Zapata!!!


VIVA ZAPATA!

titulo original: (Viva Zapata!)
lançamento: 1952 (EUA)
direção: Elia Kazan
atores: Marlon Brando , Jean Peters , Anthony Quinn , Joseph Wiseman , Arnold Moss
duração: 113 min
gênero: Drama

Sinopse: Em 1909, no México, um grupo de lavradores vai até o presidente, afirmando que suas terras foram roubadas, e um deles deixa claro que o governo não pretende fazer nada por eles. Este lavrador acaba se tornando um guerrilheiro, que por vários anos teve importância política na vida do país.


QUANDO: 22 de março de 2010
O QUÊ: Ciclo de Cinema III: Continente Americano
ONDE: Auditório B3 - CET
DEBATEDOR: Prof. Adelar Heinsfeld

Exposição Coluna Prestes

Clique na imagem para ampliar

Luis Carlos Prestes (Porto Alegre, 3 de janeiro de 1898 — Rio de Janeiro, 7 de março de 1990) é uma das grandes figuras da política e um dos mais polêmicos personagens da História do Brasil. Sua saga começou no interior do Rio Grande do Sul, liderando um pequeno grupo revolucionário, chegando até a Aliança Nacional Libertadora, estudou na União Soviética onde conheceu sua companheira Olga Benário. O capitão da esperança, como também era conhecido, foi o líder de um dos maiores movimentos políticos da história: a Coluna Prestes.
Seus idéias e sua fibra revolucionária são lembrados por nomes como Oscar Nieyemer, Pablo Neruda e Jorge Amado. Sua Memória é materializada por livros,na televisão e no cinema. No ano em que marca os 20 anos de morte de Luis Carlos Prestes, O Museu Histórico Regional apresenta a comunidade a exposição: 80 anos da Coluna Prestes. Em 30 banners é contada toda trajetória do movimento, de seu início em Santo Ângelo-RS, passando pela revolta tenentista, o encontro com os rebeldes paulistas e sua dissolução na Bolívia.
O MHR agradece pelo apoio a exposição ao Memorial do Estado do Rio Grande do Sul e Banrisul.

Murilo Dias Winter
Acadêmico do Curso de História/ UPF
Estagiário Museu Histórico

Chamada de artigos para a Revista Semina

ATENÇÃO COLABORADORES DA "REVISTA SEMINA": ENVIO DE ARTIGOS!!

O Conselho Editorial da Revista do Pós-graduandos do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de Passo Fundo, torna pública a chamada para publicação na Revista Semina, para os volumes V 7 nº 2 - 2009 e V 8 nº 1 - 2010.

Prazos de submissão de trabalhos:
1) Volume 7 nº 2 - 2009 : serão aceitos textos enviados até 30 de abril de 2010
2) Volume 8 nº 1 - 2010: serão aceitos textos enviados até 30 de junho de 2010

Semina - QUALIS B5
Revista dos Pós-Graduandos do PPGH/UPF (publicação on-line)

Normas de Publicação

1. A Revista Semina é uma publicação dos Pós-Graduandos do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade de Passo Fundo.
2. Os artigos serão aceitos em português e espanhol.
3. Os artigos deverão ser inéditos no Brasil e deverão observar a metodologia de formatação:
· extensão máxima de 45 mil caracteres e mínima de 15 mil caracteres;
· Times New Roman, fonte 12
· Os artigos deverão ser acompanhados de um resumo de até 8 (oito) linhas e 3 (três) palavras-chave e de um abstract e key words (inglês) correspondentes. No caso de o original ser em espanhol, o resumo deverá ser em espanhol e português;
· As Notas e a Bibliografia devem vir ao final do texto.
· Abaixo do Título deverá constar, à direita o nome do autor e um asterisco para indicar, no rodapé, a formação e a IES de origem
4. Os artigos devem observar a metodologia de formatação da ABNT para:
· as citações;
· a bibliografia e as notas;
5. Ilustrações, figuras ou tabelas deverão ser enviadas com indicação de fonte (origem) que deverá constar abaixo das figuras;
6. Serão aceitas resenhas de livros publicados ou reeditados. As resenhas deverão ter, no máximo, 10 mil caracteres e deverão apresentar as referências completas das obras analisadas;
7. O envio dos trabalhos implica a cessão de direitos autorais e de publicação à Revista Semina. Esta se compromete a informar aos autores sobre a publicação, ou não, de seu trabalho.
8. O fluxo de envio dos artigos é contínuo.
9. Os artigos deverão ser encaminhados ao Conselho Editorial da Revista Semina, no endereço: pghis@upf.br.

Mais informações no site http://www.ppgh.upf.br/

segunda-feira, 15 de março de 2010

Memórias do AHR: O Duelo

12 de março de 2010

“Palavra dita é palavra empenhada”

Houve um tempo em que não honrar a palavra dita poderia acabar no fio de uma espada. Na década de 20, durante o período de fortalecimento da política gaúcha frente à política nacional (café-com-leite), ocorreu um fato curioso com dois políticos respeitáveis do estado: Antônio de Bittencourt Azambuja e José Antônio Flores da Cunha.

Bittencourt Azambuja era advogado, formado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul e exerceu o cargo de promotor público da cidade de Passo Fundo. Nos anos 1920 expressou seu interesse pela política e ingressou no Partido Liberal, onde foi eleito e exerceu dois mandatos como deputado estadual. Porém, em 1927, devido a alguns desentendimentos dentro do seu partido, Azambuja foi convidado pelo então governador do estado Borges de Medeiros a se candidatar a deputado federal. Recebera também o apoio de Flores da Cunha, deputado estadual pelo PRR - Partido Republicano Rio-Grandense (o mesmo de Borges de Medeiros). Já havia nessa época uma tendência de entendimento entre o Partido Liberal e o PRR que culminaria mais tarde na FUG – Frente Única Gaúcha (base de sustentação à candidatura de Getúlio Vargas a presidência).

Flores da Cunha, general e advogado formado pela Universidade do Rio de Janeiro, e também deputado estadual, quando deu por si do crescimento e fortalecimento da candidatura de Bittencourt Azambuja, na véspera do pleito retirou o seu apoio a ele através de telegramas enviados a seus amigos e aliados políticos. Azambuja ofendido com tal ato foi à imprensa gaúcha e condenou a atitude tomada pelo general. Foi o estopim para que Flores da Cunha também se sentisse desonrado e o desafiasse para um duelo. Devido ao grande burburinho que esse desafio causou, Azambuja enviou para o diretor do jornal porto-alegrense Diário de Notícias a carta para publicação onde o advogado explicava o ocorrido:

“Chegando a esta capital a 18 do mês fluente (março), no mesmo dia, às vinte horas, os coronéis Francelino Meirelles e Victor Dumoncel Filho, na qualidade de testemunhas do general e em seu nome, dizendo-o ofendido pelas publicações que eu fizera, exigindo-me satisfação plena ou reparação pelas armas. Nessa ocasião redargüi-lhes imediata e peremptoriamente, que não lhe daria satisfação alguma e que aceitava o oferecimento desse duelo, para solução do caso, onde e quando quisesse o meu adversário.”

O advogado redigiu uma carta convocando os doutores Dutra Villa e Pires Gonçalves como suas testemunhas, para que fossem a Porto Alegre e assim pudessem combinar as condições da luta. Porém, quando as testemunhas do advogado chegaram ao local marcado, foram informados pelas testemunhas do general que devido a grande estima que todos tinham pelos dois duelistas foi organizado um Tribunal de Honra, para que não houvesse derramamento de sangue. Ambos concordaram com o julgamento. O tribunal então alegou que quando Flores da Cunha retirou o apoio da candidatura de Azambuja, ele não teve a intenção de desconsiderá-lo ou ofendê-lo. Azambuja então declarou que só veio a público com essa história para repreender o ato tomado pelo general: “Se o seu ato não foi, para mim, uma ofensa, cessou a razão de ser da minha represália. De igual para igual, porque a hombridade equipara os homens”.

Hoje em dia, tanto na política como na maioria das relações entre as pessoas, os valores corretos como respeito e honra foram distorcidos e até mesmo esquecidos. Palavra dita, escrita, inclusive filmada, não tem a mínima importância.

Helena Teston
Acadêmica do 5º nível do Curso de História
Fonte: Acervo AHR
Fonte: http://www.upf.br/ahr/

Memórias do AHR: Missões

10 de março de 2010

Passo Fundo das Missões

Convido os leitores à analisar os fatos históricos, não sob a visão positivista dos heróis nacionais, como a maioria de nós aprendeu na escola, mas sim, com um olhar crítico voltado por outra perspectiva histórica, povo. Muitos autores dizem que a conquista do território do planalto Médio Rio-grandense, onde hoje é Passo Fundo, se deu em 1632, com a chegada dos Jesuítas espanhóis e a fundação da Redução de Santa Tereza dos Pinhais e Ervaçais. Essa região era habitada desde 8.000 anos passados por índios descendentes dos Gês e Tupi-guaraní: os Caingangues e os Guaranis.

Os jesuítas chegaram com o intuito de catequizar os “selvagens”, segundo a visão eurocentrica da história, que viviam de acordo com tradições milenares: a caça, coleta, o cultivo de erva-mate, milho, mandioca e outras plantas; produziam, coletavam e caçavam somente para sua subsistência; viviam em aldeias, em casas onde moravam mais de uma família; tinham sua religião e sua cultura. A cultura européia introduzida nessas populações, não foi aceita de forma imediata e pacifica, esse processo de aculturação imposto pela ação missionária dos Jesuítas, através da catequização, promoveu a desestruturação cultural e social desses nativos.

Em “Passo Fundo das Missões” os índios, que totalizavam aproximadamente 4.000 indivíduos na redução, eram forçados a trabalhar, produzindo em larga escala a erva-mate, que era exportada para diversas reduções da região platina, como Montevidéu e Buenos Aires, e também para Europa, através do porto de Rio-Grande; além disso, trabalhavam na criação do rebanho de gado bovino, introduzido pelos jesuítas, pois no Brasil não existiam esses animais até a chegada do europeu, destes animais era aproveitado apenas o couro, pois não havia ainda o consumo de carne, que era jogada fora em sua maioria. O couro era exportado para Europa através do porto de Rio Grande, e para outras regiões. O ambiente para a criação de gado era propício e logo se multiplicaram em larga escala, era criado solto e sem muitos cuidados.

Em troca desse trabalho, os índios eram obrigados a aceitar uma religião diferente da sua, pois para os Jesuítas, esse era o bem maior feito à esses povos sem a Luz do Cristianismo; e aprendiam os costumes do europeu. Muitos desses nativos não se deixavam escravizar e se refugiavam para o interior do Estado, onde havia mata fechada, e ali permaneceram até o início do séc. XIX, quando a ocupação da região deu-se propriamente dita; mas sempre em conflito com o europeu que tentava aqui se estabelecer, impedindo a ocupação do planalto médio.

As Missões prosperaram até 1637 aproximadamente, quando os Bandeirantes paulistas, comandados por André Fernandes, para capturar os nativos para trabalhar como escravos nas lavouras de Cana-de-açúcar e na mineração das regiões centrais e norte do Brasil Colônia (os bandeirantes preferiam os nativos catequizados). A redução Logo se transformou em Arraial Bandeirante, como base para novas expedições de caça ao índio, seus habitantes foram, sua a população definhou e desapareceu depois de algum tempo. Restaram alguns mestiços e caboclos, das relações entre europeus e índios, e esses foram os primeiros gaúchos, dos quais muitos de nós descendemos. Hoje, vemos marginalizados pelas ruas o que restou dos índios Caingangues, vivendo na periferia da cidade em precárias condições de saúde e higiene.


Luciana Aita Ost
Acadêmica do 4º nível do Curso de História
Fonte: Acervo AHR

UPF divulga relação de aprovados na segunda etapa do Prouni

15/03/2010 - 08:58
UPF divulga relação de aprovados na segunda etapa do Prouni

A Universidade de Passo Fundo torna pública a lista dos candidatos aprovados na segunda etapa do processo seletivo do ProUni 2010/01. As matrículas dos candidatos aprovados deverão ser realizadas entre os dias 15 e 17 de março, das 8h às 21h30min, na Central de Atendimento ao Aluno, junto ao Campus I da UPF, em Passo Fundo, onde será assinado, pelo candidato, o Termo de Concessão de Bolsa.

Para a matrícula inicial, são necessários os seguintes documentos:

- Duas vias (uma original) do Histórico Escolar do ensino médio, contendo certificado de conclusão, carga horária, notas ou conceitos (Lei 9394/96). (É obrigatória no momento da matrícula a apresentação do histórico do ensino médio);
- Cópia da certidão de nascimento ou de casamento;
- Cópia do documento eleitoral, se for maior de 18 anos;
- Cópia da carteira de identidade;
- Cópia do CPF;
- Cópia do documento militar atualizado (candidatos do sexo masculino);
- Atestado médico e eletrocardiograma (para o curso de Educação Física)

Os candidatos já matriculados na UPF estão dispensados da entrega da documentação para registro acadêmico. Já os menores de 18 anos deverão estar acompanhados pelo responsável legal ou com procuração, com firma reconhecida, se for outra pessoa.

Em anexo a relação de candidatos aprovados na apresentação dos dados socioeconômicos em segunda etapa pelo ProUni.
Fonte: Imprensa UPF

sexta-feira, 12 de março de 2010

V SIEA

Simpósio Internacional Estados Americanos:
O Bicentenário das Independências (1810-2010)
Universidade de Passo Fundo (UPF) - Passo Fundo/RS
8, 9 e 10 de junho de 2010


Incrições a partir da 2ª quinzena de Março/2010

Prazos:
- Submissão de resumos até 22 de abril de 2010
- Envio dos artigos completos até 31 de maio de 2010
- Inscrições de ouvintes até 8 de junho de 2010

Valores da Inscrição:
Professores/Pesquisadores R$80,00
Alunos de Pós-graduação R$40,00
Alunos de Graduação R$20,00
Participantes externo/ouvinte R$30,00

Programa de Apoio à Aprendizagem do Estudante tem inscrições abertas

Com o objetivo de incentivar o aprendizado, o Setor de Atenção ao Estudante (SAEs) da Universidade de Passo Fundo (UPF) abre as inscrições para a sexta edição do Programa de Apoio à Aprendizagem do Estudante. A iniciativa oportuniza ao acadêmico dos diferentes cursos de graduação o aprofundamento em determinadas áreas do conhecimento, essenciais para a sua formação e aprendizado nas disciplinas específicas.

Por meio do SAEs são oferecidos estudos adicionais ou aulas de reforço nas áreas de Matemática Básica, Física Básica, Química Básica, Cálculo I, Introdução a Informática Básica e Produção Textual, o que representa uma alternativa para sanar dúvidas desde o início do semestre. O programa é aberto a todos os estudantes e totalmente gratuito.

As inscrições podem ser feitas até 22 de março pelo e-mail saes@upf.br ou diretamente no SAEs, que se localiza junto à Biblioteca Central, Campus I da UPF. No ato da inscrição, o acadêmico precisa informar o nome completo, seu curso de graduação, número de matrícula, área de interesse, telefone e dia e horário da aula, conforme cronograma que pode ser acessado no anexo abaixo.

As atividades iniciam no dia 22 de março e se estendem até o final do semestre. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone (54) 3316-8256 no SAEs.

CRONOGRAMA

Fonte: Imprensa UPF

Integração dos alunos do IFCH

Sexta 12/03 - O'BAR de volta às aulas.
A partir das 20h. No palco: Reino Elétron
Entrada franca para universitarios que apresentarem carterinha estudantil.
O'BAR inicia os trabalhos acadêmicos juntamente com os diretórios acadêmicos do IFCH, FAC e FAED.
O BAR - Rua Cel. Chicuta, 175 - Centro - Passo Fundo/RS

quarta-feira, 10 de março de 2010

Projeto que regulamenta profissão de historiador é aprovado na CAS

COMISSÕES / Assuntos Sociais

10/03/2010 - 16h21
Projeto que regulamenta profissão de historiador é aprovado na CAS

A Comissão de Assuntos Sociais do Senado (CAS) aprovou nesta quarta-feira (10) o PLS 368/09, projeto de lei que regulamenta a profissão de historiador. O autor da proposta é o senador Paulo Paim (PT-RS). O texto foi votado em decisão terminativa.

O relator da matéria, senador Cristovam Buarque (PDT-DF), afirmou durante a votação desta quarta que "esse projeto não impede o desempenho da atividade de historiador por aqueles que o fazem por vontade própria ou vocação; apenas garante para os respectivos cargos públicos a exigência do diploma de historiador".

O projeto define que a profissão de historiador poderá ser exercida pelos diplomados em curso superior de graduação, mestrado ou doutorado em história. As atividades desse profissional são, de acordo com o projeto, o magistério; a organização de informações para publicações, exposições e eventos sobre temas históricos; o planejamento, a organização, a implantação e a direção de serviços de pesquisa histórica; o assessoramento para avaliação e seleção de documentos para fins de preservação; e a elaboração de pareceres, relatórios, planos, projetos, laudos e trabalhos sobre temas históricos.

Em seu voto pela aprovação do projeto, Cristovam observa que, atualmente, a atividade do historiador não está mais restrita à sala de aula e que a presença desse profissional é cada vez mais requisitada pelos centros culturais, museus, assessoria e consultorias a empresas de publicidade, turismo e produtores de cinema, jornalismo e televisão. Por esse motivo, o relator se manifesta favoravelmente a que a profissão seja valorizada e reconhecida legalmente.

Da Redação / Agência Senado

PROUNI - segunda etapa

10/03/2010 - 14:30
UPF divulga a lista de acadêmicos pré-selecionados ao ProUni 2ª etapa

A Universidade de Passo Fundo (UPF), através do coordenador do Prouni, torna pública a lista dos candidatos pré-selecionados na segunda etapa, pelo MEC, no programa, processo seletivo 2010/01. A comprovação das informações prestadas no momento da inscrição, para os candidatos pré-selecionados pelo Prouni, deverá ser feita através de protocolo da situação socioeconômica do grupo familiar do candidato, junto à Central de Atendimento ao Aluno, no Campus – Sede Administrativa – Passo Fundo, do dia 10 ao dia 12 de março, de quarta à sexta-feira, das 8h às 21h30min, exceto no dia 12 quando o horário se encerrará às 18h.

A divulgação da lista dos candidatos pré-selecionados, aprovados pelo Setor Prouni/Fies, após analise da documentação da situação socioeconômica, ocorrerá no dia 15 de março e a matrícula será realizada de 15 a 17 de março. Para evitar congestionamento no atendimento, bem como nos sistemas informatizados, solicitamos que os candidatos evitem deixar para a última hora a entrega da documentação.

Fonte: Imprensa UPF

Curso: HISTÓRIA
Habilitação: LP
Turno: NOTURNO
Tipo de Bolsa: PARCIAL 50%

VIVIANE SAVARIS 200922476565
RAQUEL LIRIO DOS SANTOS JACINTO 200922585026
GABRIEL COLOMBO DAL BOSCO 200920095850
DEISE FATIMA MARIANI 200921928970
CRISTIANE PEREIRA 200921772656
EVANDRO BARBOSA 200920230368
TIAGO MARCANSONI 200922894080
ALINE MIOTO 200920424099
JESSICA BAUMGRATZ DA SILVA RODRIGUES 200920796393
LILIAN CRISTINA CESCON 200920758142
JESSICA DA COSTA 200921139957
SILVANIA ROJAHN MELER 200923549919
FRANCIELE ORIOLLI DE ALMEIDA 200921290922
ADEJANE TRETTO DA SILVA 200924245465
LEO HOCHNE 200922420824
NELSON JUNIOR DE CONTO 200922232863
THAIS SAVARIS 200920016971
TAIANA FOLETTO GRANDO 200921364113

terça-feira, 9 de março de 2010

Ciclo de Cinema

Estão definidos os filmes que integração a edição deste semestre do Ciclo de Cinema do Curso de História, cujo tema geral é Continente Americano, em conexão com o V Simpósio Internacional Estados Americanos dedicado ao Bicentenário das Independências (1810-2010) que acontecerá em junho na UPF.
Seguem os dados das projeções:

1) 22/03 (segunda-feira) - Auditório B3 CET:
FILME : VIVA ZAPATA
DEBATEDOR: ADELAR HEINSFELD

2) 16/04 (sexta-feira) - Auditório da FEAC:
FILME: A HISTÓRIA OFICIAL
DEBATEDOR: ANA LUIZA SETTI RECKZIEGEL

3) 26/05 (quarta-feira) - Auditório da FEAC:
FILME: ESTADO DE SÍTIO
DEBATEDOR: GIZELE ZANOTTO

4) 25/06 (sexta-feira) - Auditório da FEAC ou B3 CET:
FILME: CHOVE SOBRE SANTIAGO
DEBATEDOR: EDUARDO SVARTMAN

Defesas de Dissertação PPGH/UPF

ABRIL

Dia 16/04/2010 às 10h Auditório do IFCH - UPF
Tìtulo: "O Palácio de Papel: Cem anos do arquivo público do RS (1906-2006)"
Mestranda: Carmen Moreira Merlo
Orientador: Prof. Dr. Mário Maestri
Banca: Prof. Dr. Carlos Henrique Aguiar Serra (UFF) e Profª. Drª. Adriana Gelpi (UPF)

Memórias AHR: O Cinema

Do Pathé ao Pampa: o cinema em Passo Fundo
02 de março de 2010

Desde o dia 28 de dezembro de 1895, quando os irmãos Lumière apresentaram no Salão Grand café, em Paris, sua nova invenção: o cinematógrafo, a sétima arte gera encantamento, surpresa e admiração em todos. Em Passo Fundo não é diferente, as primeiras projeções cinematográficas que datam do inicio do século passado, deram origem a uma história que conta com um aventureiro vindo de fora, alguns mistérios e uma pitada de drama.

Em 1910, já existiam algumas projeções de cinema em Passo Fundo. As ‘’funções’’ ocorriam no edifício do Club Pinheiro Machado, atual Academia Passo-Fundense de Letras. O cinematógrafo pertencia à empresa de João Pozo, vindo de Porto Alegre, mas precedido de bom nome na cidade, afirma o jornal O Gaúcho do mesmo ano. Neste mesmo período Roberto Silva, conhecido como Robertinho, chega à cidade, vindo de São Paulo com alguns estranhos objetos nas mãos, aluga um galpão na Rua General Neto e ali funda a primeira sala de cinema de Passo Fundo, o Pathé. Inaugurado em abril de 1911, O Pathé funcionava de terça a domingo, exibindo diversas fitas e com uma tarde reservada para as crianças que às 14 horas acompanhavam a matinê.

O primeiro grande cinema de Passo Fundo foi o Coliseu, uma imponente construção inaugurada em 1920 e que também se localizava na Rua General Neto. Filmes clássicos conciliavam espaço com outras apresentações artísticas. Divididos entre a platéia na frente da tela, a frisa e os luxuosos camarotes, os espectadores geralmente lotavam os 500 lugares do local. Em 1948 o Coliseu foi destruído por um incêndio, foi reconstruído e alguns anos depois voltou a funcionar até 1953, quando a Empresa Cinemas Rossi, de Porto Alegre compra o estabelecimento e muda seu nome para Cine Real.

Durante os anos 30, algumas salas de cinema fizeram sucesso na cidade, com pequena duração como o Cine Avenida ou mais prolongada como o Cine Rex, que projetava seriados todo o domingo para a comunidade, as projeções cinematográficas ainda era algo rentável e atraiam muitos empresários. O mais famoso deles foi o Cine Imperial inaugurado no final dos anos 30, que se localizava na Rua Bento Gonçalves na esquina com a Rua General Osório. Logo após a abertura o prédio foi tomado por um incêndio, foi reconstruído no andar térreo do Edifício Rotta e ali permaneceu até sua extinção.

Com a chegada efetiva da Empresa Rossi de Cinemas, os cinemas de Passo Fundo foram monopolizados, pois o Cine Real e o Cine Imperial também foram comprados pela empresa. O Cine Real foi transformado em uma grande casa de espetáculos, com mais de mil assentos e ficou em atividade até 1970 quando foi transformado em um banco.

Durante a década de 50, a Empresa Turismo Cine-Hotéis, estava construindo um hotel de luxo em frente à Praça Marechal Floriano, junto dele seria construída uma sala de projeção que também abrigaria shows e peças de teatro. Inaugurado em 1962, O Cine Teatro Pampa era um luxuoso local em que duas mil pessoas assistiam a shows de estrelas da época como Nelson Rodrigues e Sandra Bréa. E mais uma vez a imponência de um cinema passo-fundense é destruída pelas chamas, no dia 14 de dezembro de 1968 um incêndio toma conta do Cine Teatro Pampa, o hotel permaneceu intacto e após dois anos de reconstrução, volta à ativa no natal de 1970, exibindo o filme O planeta dos macacos. Em 2005 o Pampa fecha definitivamente e o espaço dá lugar a um estacionamento.


Murilo Dias Winter
Acadêmico do 4º nível do Curso de História
Fonte: Acervo AHR
http://www.upf.br/ahr/

sábado, 6 de março de 2010

Recepção aos acadêmicos do curso de História

Flagrantes da recepção aos acadêmicos do curso, realizada nesta quinta-feira, 04 de março.

público
público

Angela do SAEs - palestrando

Auxiliares de plantão!!

VIII nível - os formandos!

VII nível

V nível

IV nível

III nível

Tentativa de fotografar o II nível se apresentando...

I nível

Profa. Ironita, Coordenadora do Curso de História

quinta-feira, 4 de março de 2010

É hoje!!!

A recepção aos alunos do curso de História da UPF será realizada nesta noite. A iniciativa visa apresentar professores, os projetos do curso, as propostas para o ano letivo 2010 e a integração dos acadêmicos dos vários níveis.

A programação inicia com uma palestra intitulada Especificidade do Ensino Superior, ministrada por Angela, do Setor de Atenção ao Estudante (SAEs).

As atividades acontecerão no auditório do CET (prédio B03).

PARTICIPE DESTA INTEGRAÇÃO!!!

quarta-feira, 3 de março de 2010

Regulamentação da profissão de Historiador


Encontra-se em fase de Votação no Senado o Projeto de Lei de n. 368/2009, de autoria do Senador Paulo Paim, que versa sobre a regulamentação da profissão de historiador.

Para a garantia da votação deste projeto, a carta abaixo deve ser enviada por cada historiador à Comissão de Assuntos Sociais do Senado Federal, que é formada por vários senadores, entre eles Paulo Paim - Autor do Projeto; Rosalba Ciarlini - Presidente da Comissão; Cristóvam Buarque - Relator do Projeto; e Eduardo Suplicy - Suplente na Comissão de Assuntos Sociais e Representante do PT em São Paulo.

terça-feira, 2 de março de 2010

Aprovados no PROUNI 2010


A Universidade de Passo Fundo (UPF) divulga a relação dos candidatos pré-selecionados pelo MEC, aprovados em primeira etapa em 2010/01 no ProUni. As matrículas dos candidatos aprovados deverão ser realizadas entre os dias 2 e 5 de março, das 8h às 21h30min, e no dia 6 de março das 8h às 11h30min, na Central de Atendimento ao Aluno, junto ao Campus - Sede Administrativa da UPF em Passo Fundo, onde será assinado, pelo candidato, o Termo de Concessão de Bolsa.

São necessários os seguintes documentos:

- Duas vias (uma original) do Histórico Escolar do ensino médio, contendo certificado de conclusão, carga horária, notas ou conceitos (Lei 9394/96). (É obrigatória no momento da matrícula a apresentação do histórico do ensino médio);
- Cópia da certidão de nascimento ou de casamento;
- Cópia do documento eleitoral, se for maior de 18 anos;
- Cópia da carteira de identidade;
- Cópia do CPF;
- Cópia do documento militar atualizado (candidatos do sexo masculino);
- Atestado médico e eletrocardiograma (para o curso de Educação Física)

Os candidatos já matriculados na UPF estão dispensados da entrega da documentação para registro acadêmico. Já os menores de 18 anos deverão estar acompanhados pelo responsável legal ou com procuração, com firma reconhecida, se for outra pessoa.

Segue abaixo a relação de candidatos aprovados na apresentação dos dados socioeconômicos em primeira etapa pelo ProUni.


Fonte: Imprensa UPF

segunda-feira, 1 de março de 2010

Um novo ano letivo inicia...


Hoje iniciamos as aulas de um novo ano letivo. Novos desafios e novas propostas estarão pautando o trabalho do Curso de História que, neste ano, completa 40 anos da primeira turma de História.

Desejamos a todos um excelente 2010 e o fazemos trazendo a mensagem da educadora Madalena Freire:

"Estar vivo é estar em conflito permanente,
produzindo dúvidas, certezas questionáveis.
Estar vivo é assumir a Educação do sonho do cotidiano.
Para permanecer vivo, educando a paixão,
desejos de vida e morte, é preciso educar o medo e a coragem.

Medo e coragem em ousar.
Medo e coragem em romper com o velho.
Medo e coragem em assumir a solidão de ser diferente.
Medo e coragem em construir o novo.
Medo e coragem em assumir a educação deste drama, cujos personagens
são nossos desejos de vida e morte.

Educar a paixão (de vida e morte) é lidar com esses dois ingredientes, cotidianamente,
através da nossa capacidade, força vital (que todo ser humano possui, uns mais,
outros menos, em outros anestesiada) e desejar, sonhar, imaginar, criar.

Somos sujeitos porque desejamos, sonhamos, imaginamos e criamos, na busca permanente
da alegria, da esperança, do fortalecimento da liberdade, de uma sociedade mais justa,
da felicidade a que todos temos direito.
Este é o drama de permanecermos vivos... fazendo Educação".

Madalena Freire

ÓTIMO SEMESTRE A TODOS!!!